Neste fim de semana, têm início processos de dois brasileiros a caminho dos altares.

0

 Serão abertos oficialmente neste fim de semana os processos de beatificação de dois brasileiros, Padre Léo Tarcísio Gonçalves e Marcelo Henrique Câmara; os tribunais arquidiocesanos de ambos serão instalados na Arquidiocese de Florianópolis (SC).

Este novo passo na caminhada de Pe. Léo e Marcelo Câmara rumo aos altares se dará após a Congregação para as Causas dos Santos, no Vaticano, ter concedido no ano passado o nihil obstat (nada consta), o qual garante que não há obstáculos por parte da Santa Sé para a abertura dessas causas.

O primeiro a ter sua causa aberta oficialmente será Pe. Léo, em cerimônia que acontecerá no sábado, 7 de março, na sede da Comunidade Bethânia, fundada pelo próprio sacerdote, em São João Batista (SC). Já no caso de Marcelo Câmara, acontecerá no domingo, 8 de março, no Santuário Sagrado Coração de Jesus, em Florianópolis.  

Com a abertura dos processos de beatificação, Pe. Léo e Marcelo recebem o título de Servo de Deus e os fiéis poderão prestar culto particular, com orações e pedidos de intercessão.

Segundo a Arquidiocese de Florianópolis, o Vigário Judicial do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano e de Apelação de Florianópolis, Pe. Tarcísio Pedro Vieira, será o Delegado Arquidiocesano para essas duas causas.

Para o sacerdote, o andamento dos processos cria um clima especial nesta Igreja particular, de oração, vida fraterna, caridade cristã, enfim, de santidade, de desejo do céu.

“Entre nós há tantas pessoas que se destacam pela prática das virtudes e pelo amor a Jesus e sua Igreja. Todos somos chamados à santidade. O processo canônico de instrução de uma causa de beatificação e canonização é um meio especial para comprovar a vivência heroica das virtudes, confirmar a fama de santidade, o seguimento total de Jesus Cristo e a existência de sinais extraordinários, de graças e milagres”, declarou ao site arquidiocesano.

Pe. Léo

Tarcísio Gonçalves Pereira, que posteriormente ficou conhecido como Pe. Léo, nasceu em 9 de outubro de 1961, em uma família humilde de Delfim Moreira (MG), no vilarejo de Biguá, local que veio a ser muito citado pelo sacerdote em suas pregações.

Era o nono filho Joaquim Mendes Pereira e Maria Nazaré Guimarães. Como ele mesmo contou, antes de ingressar no seminário, trabalhou muito, tendo atuado como torneiro mecânico e também em uma fábrica de armas.

Foi em 1982 que ingressou no seminário da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, em Lavras (MG). Fez seu noviciado em Jaraguá do Sul (SC), cursou Filosofia em Brusque (SC) e concluiu Teologia em Taubaté (SP).

Foi ordenado sacerdote em 1990 e, em 1995, fundou a Comunidade Bethânia, que tem como carisma o acolhimento de pessoas marginalizadas, dependentes químicos e vítimas da prostituição.

Pe. Léo também atuou nos meios de comunicação, tendo publicado 27 livros e conduzido programas de televisão na Associação do Senhor Jesus e na Comunidade Canção Nova.

Em 4 de janeiro de 2007, aos 45 anos, partiu para a Casa do Pai, vítima de infecção generalizada por causa de um câncer no sistema linfático.

Entretanto, mesmo quando estava doente, não deixou de lado sua missão evangelizadora. Em 2006 fez a sua última pregação no Hosana Brasil, da Comunidade Canção Nova, com o tema “Buscai as coisas do alto”.

Na ocasião, disse: “Quer ser feliz? Busque as coisas do Alto. Esta é a grande palavra que Deus trouxe ao meu coração neste tempo. A doença me tirou tudo: não consigo mais andar sozinho, não enxergo direito. Estou cego do olho direito e vejo apenas cerca de 40% com o olho esquerdo. Mas veio ao meu coração: ‘Ai de mim se eu não evangelizar’ (1 Coríntios 9,16b)”.

Marcelo Câmara

O jovem leigo Marcelo Henrique Câmara nasceu em 26 de junho de 1979, em Florianópolis (SC). Formou-se em Direito e foi promotor de Justiça no estado catarinense e membro do Opus Dei. Faleceu aos 28 anos, 20 de março de 2008, devido a um câncer.

De acordo com a Arquidiocese de Florianópolis, após intensa conversão em um retiro promovido pelo Movimento de Emaús, Marcelo buscou se santificar na vida cotidiana, ordinária, em meio às realidades temporais, celebrando as alegrias e carregando as cruzes da sua existência, tornando-se um verdadeiro apóstolo da juventude, sobretudo em meio aos grupos de jovens desse movimento.

Participava da vida paroquial na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no bairro dos Ingleses, onde era catequista de adultos e ministro extraordinário da Sagrada Comunhão.

Dedicou-se ao máximo aos estudos e pesquisas no curso de Direito e, depois, no ensino, como professor titular no IES e professor substituto na Universidade Federal de Santa Catarina.

Mesmo em meio à doença, estudou com afinco para se tornar promotor de justiça, cargo que exerceu por um ano com profissionalismo ético e dedicação evangélica.

Identificou-se com o sofrimento redentor de Cristo no oferecimento da sua enfermidade (leucemia), vivida com alegria e paz cristã, durante quatro anos, em consonância com os ensinamentos de São Josemaria Escriva, fundador do Opus Dei.

fonte: https://www.acidigital.com/noticias/a-partir-deste-fim-de-semana-tem-inicio-processos-de-dois-brasileiros-a-caminho-dos-altares-66396

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.